domingo, 11 de janeiro de 2009

Cumplicidade

Sim, tenho um amor 'Gandão' e um amor 'Gandinho'! Diferentes no tamanho físico, no tempo, mas nunca na intensidade e imensidão do meu sentimento.

Impressiona a sintonia em que meu Reizinho vive com o pai. Parece que a herdou de mim. Por muitas vezes o senti chegando em casa ou peguei o telefone para ligar pra ele e receber a chamada dele na mesma hora. Ou então, estar distante do celular, lembrar dele de repente, correr para pegá-lo e ver uma chamada perdida de meu amor 'gandão'.

É isso que acontece com o meu filho: como se soubesse das horas, sente quando o pai vai chegar do trabalho. Eles se divertem muito junto. Não poderia ter escolhido um pai melhor para o meu filho. A gente se encanta junto com cada palavra nova que o nosso bebê aprende. Eu me encanto sozinha quando vejo no rostinho do Rei o sorriso incompleto, meio-sem-querer que o pai dele tem igual. Eu me encanto mais ainda quando os vejo dormindo juntos, na mesma posição. Ou pelo menos, sentados, um na cadeirinha e outro no sofá, da mesma maneira (com um pé no assento e outro no chão, uma perna dobrada e o cotovelo em cima dela), inconscientemente.

Admiro o amor dele pelo filho. É natural um pai amar o filho, mas ele conseguiu externar todos os outros sentimentos que acompanham o amor: o cuidado, o zêlo, a admiração, a conquista, o respeito, o prazer, a felicidade, etc etc etc... Consigo identificar todos esses, e muitos outros, sentimentos na relação deles dois. Acho lindo quando ele me acorda, antes das 6 da manhã, pra me pedir pra avisar à babá pra ter cuidado com os dedinhos do Rei nas portas, para que ela faça 150ml de leite apenas, pois ele não está tomando mais que isso, para dizer pra ela não esquecer de dar 5 ml da vitamina, pois o menino tá muito magro... e por aí vai... Cada dia em que está trabalhando, recebo uma ligação cuidadosa, preocupada, por vezes exagerada.

É lindo a gente se ver no próprio filho, mas é mais lindo ainda, a gente ver a pessoa que a gente ama crescendo novamente, um clonezinho. É como se Deus me desse uma oportunidade de vivenciar a única fase da vida dele em que não estive presente: a infância.

Já parei diversas vezes pra me imaginar sem ele. Morro de medo de perdê-lo para as armações do destino, não saberia o que dizer ao nosso filho. Peço a Deus que nos mantenha assim, juntos. Que os dois, pai e filho, durmam muito juntos, brinquem muito juntos, comam muito juntos! Tudo junto é melhor! Que a gente possa contar histórias para nossos netos. É, netos!!! Quem tem filhos, quer ver os netos...
E por tudo, não só por isso, sou grata a Ti, Senhor!

3 comentários:

Daniella PSF disse...

fazer chorar, é seu dom... não canso de dizer.
as pessoas falam né Val, mas só nós sabemos quem escolhemos para estar ao nosso lado. e me alegro em ver que você fez a escolha certa. perfeito ninguém é, mas maravilhoso qualquer um pode ser. basta querer.
beijos

Valquíria Almeida disse...

Que palavras lindas... Obrigada amore!

Sara disse...

Valquíria!! O que é isso???
Quanto amor! Quanta inspiiração!
FICO MUITO FELIZ POR VOCÊS!
BEIJO PARA OS TRÊS!!!