quinta-feira, 6 de maio de 2010

Peripécias do Rei

E para que ninguém pense que o Rei é só "Nervos à flor da pele", ele andou aprontando umas. Seguem os diálogos.
1) CONTANDO HISTÓRIAS
- Mãe, conta uma história pra mim.
Aproveitei o embalo e comecei a contar a história de um menino chamado Arthur, como se não fosse ele.
- (...) Quando Arthur era bebê, a mamãe era apaixonada por ele.
E ele:
- E o papai dele?
- O papai também era apaixonado por ele... - respondi.
E o guri me interrompe e solta:
- Ei mãe, meninos não podem casar com homem...
2) CONTORNANDO A DOR:
Indo para a sessão com a Psicóloga, o pequeno caiu e esfolou o joelho (é... ainda mais isso...). Chorando, ele gritava:
- Ai, meu joelho. Tá doendo, tá doendo, tá doendo, tá doendo...
Eu, agoniada, falei:
- Calma filhão, calma. Respire fundo que a dor vai passar.
E ele começou a respirar e, consequentemente, parou de chorar. Com ele nos braços, continuei andando. E, de vez em quando ele voltava a respirar fundo, várias vezes seguidas. Perguntei:
- O que é filho? Tá doendo?
E ele:
- Não é nada mãe, já vai passar!
***
Na volta, eis que o pequeno engancha o pé num buraco da calçada e se machuca novamente, caindo sentado. Começou a chorar, dizendo:
- Ai, meu pezinho, tá doendo...
Comecei a girar o pé dele, lentamente, de um lado para outro, com medo de uma torção. Pedi que ele ficasse calmo, que a dor ia passar. E ele:
- Vai mãe, manda eu respirar fundo para a dor passar.
Mandei. Ele respirou. A dor passou.
3) TROCANDO AS SÍLABAS:
O pequeno tá invertendo as sílabas de algumas palavras, de vez em quando, quando ele quer falar muito rápido. Casaco, ele fala "sacaco", copo é "poco" e assim vai...
Levei-o numa lojinha para comprar alguns lápis de cor, massinha de modelar, hidrocor, etc. Na loja, ele escolheu um conjunto de 4 carrinhos, bem simples. Antes, ele queria abrir os brinquedos dentro da loja, mas explicávamos que era preciso pagar para poder levar. Ele entendeu, hoje em dia até espera que paguemos, mas não quer que coloquemos na sacola. Dito isso, quando eu estava pagando as compras e o moço embalando, ele grita no meio da loja:
- Ei mãe, não coloca o carrinho na "caçola".
Risada geral, né?

4 comentários:

Paloma disse...

Bonitinho...que bom que vocês estão vivendo esses pequenos momentos gostosos. Isso faz toda a diferença. bjos
Paloma e Isa

Nina Nishioka disse...

Mas ele é um sarro mesmo! Adoro todos os diálogos dele. rs!
amiga, comentei no post anterior. Beijos!

Kell Alves disse...

Esse menino é um achado!

Bia Mello disse...

Que delicia estes momentos, ne?
Querida, Feliz Dia das MÃes! Que Deus te abencoe a cada dia com muito amor, sabedoria e bencaos!
Bjs,